Skip to content

Posts from the ‘Curso de análise gráfica’ Category

27
Jan

Indice de Força Relativa análise gráfica

indice de força relativa – análise gráfica

Na bolsa de valores podemos utilizar algumas técnicas junto a ferramentas de análise para aprimorar nossa forma de operar, aumentar a eficácia no retorno positivo das operações realizadas na bolsa de valores em 2014, acompanhando melhor nossos resultados como também de nosso planejamento financeiro acima das condições atuais em que o mercado de ações se encontra .Estaremos dando ênfase maior no Indice de Força Relativa e seu retorno na análise técnica.

Para isso entraremos em detalhes sobre o IFR(Indice de Força Relativa) no mercado de ações um importante indicador que monitora os momentos da bolsa de valores  em relação a velocidade de mudança dos preços. Esse importante indicador mostra quando o preço de um ativo se encontra em regiões de sobrecompra e sobrevenda e vem sendo muito utilizado por analistas para a tomada de decisões dentro dos sinais que a própria bolsa emite.

Vamos analisar os cálculos para facilitar o entendimento do Indice de Força Relativa. O cálculo é baseado no período pré-estabelecido onde se faz um levantamento das médias de ganhos (MG) nos fechamentos em alta e média de perdas (MP) nos fechamentos em baixa conforme seguem :

 

Curso de análise Gráfica

Fórmula do IFR(Indice de Força Relativa)

IFR = 100 –(100 / (1+ FR))        FR = MG / MP

 

Tomando como base um indicador de 20 períodos, vamos calcular em um primeiro momento o FR junto aos MG(momentos de ganhos) e MP(momentos de perdas).

 

Dia

Fechamento

Variação

Ganho

Perda

  25,00      
1 25,50

2%

0,50

 
2 25,59

0,36%

0,09

 
3 24,90

-2,69%

 

-0,69
4 24,87

-0,12%

 

-0,03
5 25,01

0,56%

0,14

 

6 25,95

3,75%

         0,94

 

7 25,76

– 0,73%

 

-0,19
8 25,13

-2,44%

 

-0,63
9 25,29

0,63%

         0,16

 

10 25,77

1,89%

  0,48  
11 25,89

0,46%

0,12

 
12 25,97

0,30%

0,08

 
13 26,01

0,15%

0,04

 
14 26,11

0,38%

0,10

 

15 26,02

-0,35%

 

-0,09

16 25,98

-0,16%

 

-0,04

17 25,78

-0,76%

 

-0,20

18 25,51

-1,05%

 

-0,27

19 25,10

-1,60%

 

-0,41

20 25,04

-0,23%

 

-0,06

Calculando o MG dentro do período, basta pegar todos os dias em que o preço fechou em alta, pegando o valor do fechamento atual menos o fechamento anterior e somar seus respectivos valores dividindo pelo período estabelecido.

MG = 2,65 /20 = 0,13

Calculando o MP dentro desse período, deve-se pegar todos os dias em que o preço fechou em queda , realizando a operação de fechamento atual menos fechamento anterior. A soma dos respectivos valores proporciona o MP(momentos de perda) no período mencionado acima.

MP = 2,61 /20 = 0,13

Com as variáveis que compõem a fórmula do Indice de Força Relativa, fica mais fácil obter os valores e acompanhar os momentos ideais do mercado de ações. Vejamos que :

FR = MG / MP . Portanto : FR = 2,65 / 2,61 = 1,02

IFR = 100 –(100 / (1 + 1,02))
100 – (100 / 2,02)
100 – 49,50 = 50,50

Indice de Força Relativa – Curso de análise Gráfica

momentos corretos para compra e venda ?

O Indice de Força Relativa possui duas regiões distintas conhecidas como região sobrecomprada e região sobrevendida e possui uma escala fixa que vai de 0 a 100. A região sobrecomprada geralmente fica localizada acima de 70 e a região sobrevendida abaixo de 30 como referência .

Observe abaixo na figura o gráfico diário da GGBR4 (Gerdau) exibindo um histórico de cotações onde na parte mais inferior temos o IFR com as linhas horizontais de sobrecompra e sobrevenda.

Indice de Força Relativa

 

Os sinais a serem observados se concentram quando o preço estiver dentro dessas regiões. Quando o preço invadir a região de sobrecompra acima dos 70, temos a indicação de que uma tendencia de alta está perdendo a força e pode reverter para uma baixa. Assim sendo, uma invasão na região dos 30 indica que a tendência atual de baixa perde força sinalizando uma possível reversão de alta nos próximos pregões.

Isso antecipa uma posição formada preparando o investidor na tomada de decisão posterior, aumentando as chances de acertos. Sendo assim, o IFR como ferramenta complementar do investidor visa apontar os principais sinais de força que o preço adquire para continuar ou não dentro de uma tendência.

Para saber mais sobre a análise gráfica o Indice de Força Relativa e o mercado de ações, acesse nosso Encontro Diário todos os dias às 17:00 hrs horário de Brasília através clicando aqui

26
Nov

O que são os OBV’s (On Balance Volumes) ?

É utilizado esse termo na maioria das vezes pelos investidores para determinar sua escolha nas ações a qual irá compor uma carteira de operações em determinado período. O OBV é um indicador da categoria rastreador de tendência de um papel por meio do saldo apresentado pelo volume.

 

Pode-se observar o indicador por meio de uma linha gráfica móvel que sobe quando o volume é positivo e desce quando o volume é negativo. Um volume considerado positivo é calculado quando o preço de fechamento atual é maior do que o anterior. Sendo assim, soma-se o volume atual ao OBV anterior obtendo a fórmula:

 

OBV = OBV anterior + Volume

 

Já um volume negativo é o inverso do citado anteriormente. Será considerado negativo nos casos do preço atual ser menor do que o anterior. Neste caso, subtrai o volume atual do OBV, obtendo-se a fórmula de verificação abaixo:

 

OBV = OBV anterior – Volume

 

 

Caso o preço de fechamento atual for igual ao anterior a comparação será que o OBV fica neutro conforme mostrado abaixo :

 

OBV= OBV anterior

 

 

Agora você deve estar se perguntando … Como podemos utilizar essa ferramenta a favor de nossas aplicações ?

 

Como no mercado existem muitas ações o OBV se torna uma ferramenta muito útil para execução de suas operações que envolvem em rastrear uma tendência, seja ela de alta ou de baixa, havendo necessidade de acompanhar a movimentação da linha em relação aos preços em geral com intuito de verificar a coerência entre os preços.

Por exemplo:

Observe o gráfico da empresa VIVO4 operadora. Nesse caso fica bem claro uma tendência de alta apresentada pelo mesmo gráfico em seus preços e uma coerência da linha do OBV devido ao acompanhamento direto desses preços. Com a linha do OBV em tendência de alta fica claro também uma forte alta nos preços durante a formação e uma forte ação de compra visando aproveitar a alta.

 

Existem algumas formações gráficas de OBV conhecidas como: divergência e antecipação que aparecem em momentos conjuntos ou de formas isoladas.

 

Divergência: É mostrada sempre quando existe uma fraqueza da tendência na continuidade de sua formação que fica sinalizada pelo OBV na mesma linha dos preços. Significa que se for uma alta nos preços, e a linha não condiz com o movimento pode haver reversão de baixa em algum momento.

 

Antecipação: A figura gráfica de antecipação é dada quando existe o rompimento antecipado de uma resistência ou de um fundo antecipando ao investidor o momento de atenção durante uma operação e a formação consecutiva do preço no gráfico.

 

Portanto as linhas de tendência nos ajudam muito, sendo que o devido acompanhamento dessas podem zelar por operações mais concretas induzindo a uma escolha correta tanto do momento vivido por uma ação como para identificar ações que possam compor uma carteira de investimentos na bolsa.

21
Sep

Nosso perfil de investidor muda sempre

Você provavelmente já deve ter ouvido falar sobre os diferentes perfis de investidores. O perfil de investidor serve para analisar diversas coisas como por exemplo, se o investidor aceita altos riscos, para obter altos retornos ou se ele prefere algo menos rentável com muito mais segurança. Um investidor com perfil conservador, é aquele que prefere mais segurança e por conseqüência terá um retorno bem menor, pois no mercado financeiro, o retorno é sempre proporcional ao risco, uma opção por exemplo, varia uns 30% ao dia, significa então que pode tanto subir, quanto cair esses 30%.

Nosso perfil de investidor, sempre muda, alguns já conseguem ter um perfil de investidor pro resto da vida, porém muita gente muda a forma de investir e isso é totalmente normal. Se você antes tinha um perfil de investidor e hoje tem outro, é completamente normal. Se antes você preferia lucros rápidos no curto prazo e hoje prefere lucros pequenos, mas contínuos no longo prazo, também é completamente normal. A verdade é que o mercado financeiro muda o tempo todo, e se nós nunca mudarmos, não iremos conseguir acompanhar o ritmo.

Se um investidor costuma sempre operar comprado, ele praticamente teve prejuízo em 2011 inteirinho, pois a bolsa foi de 70 mil para 48 mil nesse ano. Se manter firme em um perfil de investidor apenas, pode ser muito prejudicial, temos sempre de estar revendo nossa estratégia, pois ela não é infalível e dependerá do ritmo atual do mercado pra dar certo. Se sua operação der prejuízo, jamais pense que sua estratégia está certa e o mercado está errado em ficar caindo, compensa muito mais mudarmos nossa estratégia, nosso perfil de investidor para se adaptar as novas condições, do que ficar reclamando que a bolsa não para de cair.

29
Jun

O risco de investir sem objetivo

É muito comum hoje em dia, nos depararmos com investidores que aplicam no mercado de ações sem um objetivo ao certo, isso acontece principalmente por falta de conhecimento e estratégia. Na bolsa de valores precisamos sempre ter uma estratégia bem definida, para assim garantirmos nossos lucros ou em caso de prejuízos que estes sejam minimizados. Uma estratégia na bolsa de valores, é como se fosse uma receita ou script que o operador cria, mais ou menos assim: Se bater no preço x eu compro, se subir ao preço Y eu vendo e saio com lucro de 3%, se eu comprar e cair até o preço Z eu vendo com prejuízo de 1%.

O investidor com a estratégia acima, é considerado um investidor técnico pois se baseia em sua estratégia e leva ela até o final, definindo objetivos, metas e tudo mais. Todo investidor precisa ter uma meta, seja ela diária, mensal ou anual e tentar conseguir essa meta para que se possa chegar no objetivo. O investidor sem objetivo, é o que entra em uma operação sem saber o motivo exato de sua entrada e sai dela porque acha que caiu demais, ou acaba também não saindo, por esperar ela subir mais ainda, é aí que mora o perigo também.

Portanto, se você deseja obter sucesso no mercado de ações, seja um investidor mais técnico, defina estratégias o tempo todo para se proteger das variações do mercado, se você vai entrar em um trade defina exatamente tudo, preço de entrada, saída, stop, objetivo de lucro e quanto aceita perder. Defina além disso, qual sua meta no mês, no ano e tente seguir ela para a longo prazo atingir seus objetivos. Se você saiu de um trade porque teve prejuízo, não entre imediatamente em outro, pare para analisar melhor o motivo que o levou a ter prejuízo, lembre-se que ficar líquido no mercado também é uma forma de operar.

25
Apr

Análise gráfica e a queda da OGXP3

Quem acompanhou o mercado financeiro essa semana, pode então presenciar uma queda monstruosa na OGXP3 de mais de 15%, fazendo os preços despencarem e causando pânico total em quem estava comprado. Veja o gráfico da ação:

ogxp3 queda

Como podemos ver, essa queda foi logo na abertura, ou seja, foi um GAP de baixa. Isso obviamente é impossível prever em análise gráfica, pois essa queda foi ocasionada por um fator fundamentalista, que foi a notícia do farm-out da empresa que veio abaixo do esperado pela maioria dos investidores que aguardavam ansiosamente por ela. Apesar da reação dos investidores sobre a notícia, ter sido negativa, a notícia em si é positiva, pois o Eike Batista anunciou novas descobertas com possibilidades de maior lucro, por isso escolheu vender uma parcela menor da que os investidores esperavam.

22
Mar

O que é a venda descoberta?

A venda descoberta, é uma estratégia extremamente arriscada, pois os prejuízos dessa estratégia podem ser infinitos! Isso mesmo, você pode perder até o que não tem, é necessário ter muita experiência para fazer venda descoberta, além disso, é necessário comprovar para a corretora que você terá como pagar a operação, caso ela venha a dar prejuízo.

Já sabemos que a venda coberta é a compra de uma quantidade de ações, e a venda da mesma quantidade em opções, isso obviamente tem um risco, porém o risco é limitado fora que obtemos boa proteção com a venda das opções.

A venda descoberta, consiste em simplesmente vender as opções, sem precisar comprar as ações para isso. O risco é infinito, porque não sabemos quanto as ações estarão valendo no dia do exercício, e se as mesmas subirem muito, as chances de quebrarmos são muitas. Vamos dar um exemplo mais prático abaixo:

Supondo que PETR4 esteja valendo R$ 28,00, e PETRD30 esteja valendo R$ 0,25, você decide então vender 2.000 PETRD30 embolsando na hora o valor de R$ 500,00 e comprometendo-se a entregar 2.000 PETR4 a R$ 30,00 no dia do vencimento. Então na venda dessas opções, nos comprometemos a entregar 2.000 a R$ 30,00 até o vencimento das mesmas, isso vale exatamente R$ 60.000,00. Vamos analisar agora os cenários:

Cenário de alta (prejuízo)

Vamos supor que PETR4 subiu pra R$ 32,00, então as PETRD30 que você vendeu, estarão valendo mais ou menos R$ 2,10. Para encerrar essa posição, você deverá recomprar a esse preço antes que suba mais, gastando R$ 4.200,00, seu prejuízo será de R$ 3.700,00 (4.200 – 500).

Caso você caia no exercício, terá que comprar as PETR4 a preço de mercado (valor indefinido) e vender a R$ 30,00. Comprando 2.000 PETR4 a R$ 32,00 você estaria gastando R$ 64.000,00 para vender depois a R$ 60.000,00.

Quanto mais as PETR4 subirem, maior seu prejuízo.

Cenário de baixa (lucro)

Vamos supor agora que as PETR4 caíram para R$ 26,00, então as PETRD30 que você vendeu provavelmente estarão valendo uns R$ 0,12. Daí é só recomprar mais barato, ou esperar chegar no vencimento e virar pó, tendo o lucro de R$ 500,00.

Agora eu pergunto a você, o risco vale a pena? Arriscamos um lucro de R$ 500,00 com possibilidade de perdas infinitas, pra mim com certeza isso não vale a pena, portanto só recomendo a venda descoberta pra quem é muito experiente no mercado, e conhece esses riscos.